O Brasil foi reprovado em ciências, matemática e leitura.

Recentemente o Brasil foi reprovado em matemática, leitura e ciências, ficando em 53º lugar, dentre os 55 países que foram submetidos à pesquisa, que foi feita pela Organização para a Cooperação e o Desenvolvimento Econômico (OCDE).

A pergunta que fica é: Qual será o futuro de um país onde a educação está relegada ao segundo, terceiro plano?

Tempos atrás o Brasil se vangloriava de ter diminuído o analfabetismo, porém o que estes dados vêm constatar é que, na verdade, mesmo tendo quase 100% de crianças nas escolas, o analfabetismo está em proporção alarmante, e pior; analfabetismo de alunos dentro das escolas. Enfim, o Brasil finge que dá educação, os professores fingem que ensinam e o aluno finge que aprende.

O resultado obtido pela OCDE, não é algo que surpreende aqueles que vêm acompanhando de perto a educação, pois há anos é observado que o ensino vai de mal a pior.

O professor, durante anos, vem reclamando quanto a seus salários, a falta de sérias políticas educacionais. Ganham mal, não são valorizados, não são respeitados pelos alunos e nem pelos pais dos mesmos, trabalham sobre intensa pressão e não podem reprovar. Perderam toda autoridade, que deveriam ter, para ensinar.

Foi criada uma política que, o importante é ter diploma, sem importar com o saber. O mais triste é que isto vem ocorrendo no ensino básico, fundamental, isto é, no inicio da aprendizagem, da formação educacional e intelectual da criança e do adolescente.

Um país, onde o ensino é tratado sem as mínimas responsabilidades, certamente está comprometendo todo seu futuro, pois o desenvolvimento, crescimento e mesmo a democracia, depende da boa educação. A construção de um país somente pode ser atingida através da educação.

Um país onde a leitura fica em terceiro plano, evidentemente está se comprometendo de forma nociva a cultura de seu povo, da mesma forma que compromete no caso da ciência e da matemática.

Sem duvida, é fundamental um investimento maciço na formação dos professores, dando a eles estimulo por meio de cursos de capacitação e valorização, autoridade para que possa exigir do aluno conhecimento e, sobretudo, através de um salário que faça jus a sua responsabilidade; a é de formar o homem do amanhã.

Evidentemente a pedagogia educacional mudou, novas diretrizes de ensino surgiram, mas é preciso ressaltar que a educação deve levar ao aluno o conhecimento e a formação intelectual, isto passa, principalmente, pela leitura, ciência e matemática.

O mais preocupante é que foram apenas estas três disciplinas que foram avaliadas, e o Brasil levou pau. Que este resultado possa ser um sinal positivo, que possa ser um alerta para que o país, tanto a nível federal, estadual e municipal, que todos dêem prioridade para a educação, reformulando conceitos e, principalmente, valorizando os professores para que, posteriormente, possa cobrá-los.

E que os pais também assumam a responsabilidade de ensinar seus filhos porque uma boa educação começa dentro de nossas casas e somente com união entre governo, escola e pais conseguiremos mudar esse quadro desastroso.

Ataíde Lemos